QUEM SOU?

Minha foto
Goiania, Brazil
Um homem simplesmente aí, jogado no rio do devir a procura de si mesmo. Um campo de batalha... uma corda sobre o abismo, um ser no mundo corroido pela angustia da certerza da própria morte, mas que faz dessa consciencia da finitude um motivo para se responsabilizar mais por cada uma de suas escolhas.http://lattes.cnpq.br/9298867655795257

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

NÃO AO PROCESSO DE BESTIALIZAÇAO DA MÍDIA, VIVA O PENSAR



Certamente as estações de TVs já receberam inúmeros telefonemas, emails e cartas de pessoas indignadas com a mediocridade, futilidade e banalidade daqueles que se consideram artistas e que têm espaço na mídia brasileira. Como se não bastasse a mediocridade e mesquinhez daqueles que são responsáveis pela programação dos diversos canais da televisão brasileira, nossos pobres artistas não se cansam de oferecer espetáculos patéticos da fraqueza humana. Será que esses  programas vespertinos não tem nada melhor  para mostrar ou noticiar do que a vida fútil e moralmente indecente desses “famosos” fabricados do dia para noite... São realmente artistas esses famosos? Por que vcs não se preocupam em mostrar a verdadeira cara desse Brasil? Existe gente que faz e pesquisa, enfim, pessoas que realmente fazem uma nação  ser grande e que é totalmente avessa a essa vida mundana de prazeres efêmeros dessas celebridades de mentira. Não quero impor normas, ou disseminar uma doutrina moralista. Como disse o grande Nietzsche – por mim não são inventados novos ídolos. Já é mais que tempo de assumirmos certas verdades que hoje assumem a força de fatos consumados – Parem de alimentar a turba ignara com notícias sobre a vida fútil dessa gente estúpida que se diz artista. Nosso povo precisa ser educado de outra forma... A maioria dos programas de televisão, as novelas, deseducam nosso povo... É realmente uma pena que pessoas até talentosas estejam  a serviço da bestialização de um povo já por demais miserável de corpo e alma.
Ouso mesmo dizer que um povo que passa pela dor e pelo sofrimento que agora se abate sobre o povo iraquiano se tornará muito mais forte e unido enquanto nação do que um povo, como o brasileiro, cuja história está repleta de côncavos, acordos espúrios e  traições dos interesses populares... Nossa classe política, me faz preferir mil vezes um regime como o de Sadan Hussen. Prefiro uma tirania sanguinária que aguça nossa vontade de defendê-la ou combatê-la, do que uma pseudo-democracia legitimada pelo voto de uma massa estúpida e ignara que nos entorpece com um sentimento de impotência diante das autoridades constituídas e do próprio crime.
O fato é  que hoje a burrice, a futilidade, a vaidade tacanha, o falatório que asfixia todo pensar, ocupa muito espaço na televisão brasileira...Não importa se isso dá Ibope... Temos que reeducar essa massa ignara quantificada pelo Ibope para  que passem a exigem mais pensamento, mais debate, mais discussão, enfim, mais filosofia na televisão brasileira...
Não podemos sufocar o pensamento e o cantar do poeta nessa publicidade de um mundo onde todos parecem querer Ter seu minuto de fama, ainda que seja oferecendo um espetáculo patético para milhões de pessoas.
Por favor, parem de bestializar o pobre e carente povo brasileiro com esses programas e novelas alienantes, que só nos tornam mais fracos diante da dificuldade de nossa missão – elevar nosso país de sua crônica miséria material e espiritual à estatura de uma verdadeira nação capaz de assumir seu verdadeiro destino histórico. Por paradoxal que possa parecer, justamente agora, quando um metalúrgico assume a presidência da República, parece  ter chegado a hora de um choque cultural nessa pobre sociedade brasileira  dilacerada pelos interesses corporativistas e aviltada e vilipendiada por políticos, pastores e religiões inescrupulosas...

Mas chegará  o dia em que as novelinhas ridículas serão substituídas por  banquetes filosóficos... mais arte, poesia e pensamento senhores... Estamos ficando sem oxigênio nessa atmosfera propicia aos répteis...Tenham vergonha na cara, tenham a coragem de mostrar a verdadeira cara desse país, que certamente nada tem a ver com os rostos siliconados dessas fantoches disfarçados de artistas....Com a palavra a filosofia:

“ Oh, povo miserável, filhos do acaso e da dor, é culpa minha se em vosso meio tenho de me esconder e andar como uma cigana nas ruas e nas feiras. Vede minha irmã, a arte, ela está como eu. Caímos entre bárbaros. Aqui nos falta justa causa... Tendes antes uma civilização, e então sabereis o que a filosofia quer e pode.” (Nietzsche. A Filosofia na época trágica dos gregos).